Ilustrações Ilustrações P

Pregação

 

Tem pastor que sobe ao púlpito sem saber o que dizer e desce sem saber o que disse.

 

Lemos, algures, a história de um garoto extremamente lacônico que, certa manhã de domingo, chegando a casa foi interrogado pelo pai: - Onde é que você estava, meu filho? - Na igreja. - Ouviu todo o sermão? - Ouvi. - Sobre que foi que o pastor pregou? - Pecado. - Que é que ele disse? - Foi contra.

 

Se o próprio Cristo só iniciou sua pregação depois de ter sido ungido, nenhum jovem deve pregar enquanto não tiver recebido a unção do Espírito Santo. - F. B. Meyer 

 

Em certa igreja, encontrei um caso curioso: uma irmã estava sempre de posse de um dicionário para traduzir as palavras do jovem pregador, tão grande era o número de palavras difíceis por ele usadas. Em determinada ocasião ela interrompeu a pregação e traduziu para a igreja a palavra dita pelo orador. Muito estranho! - Airton Evangelista da Costa.

 

Para ilustrar seus sermões, Jesus, o Mestre da comunicação e da sensibilidade, usava imagens conhecidas: a rede de pescar, os lírios dos campos, as aves do céu, a videira. Às vezes as palavras complicadas viram moda e, pelo uso corrente, ficam “descomplicalizadas”. É o caso de “descatracalização” usada pela primeira vez no último vestibular da Fuvest – Fundação Universitária para o Vestibular. Foi exigida dos vestibulandos uma dissertação em torno do “Programa para a Descatracalização da Vida”.

 

Moody também dizia que não há registros de Jesus ter ensinado os seus discípulos a pregar, mas ensinou-os a orar.

 

Jack Hayford (Adorai Sua Majestade) diz algo, que creio servir para nossa reflexão: "A palavra que só informa sem inspirar, ou que só confronta sem instilar esperança, pode ser ortodoxa, mas é também contraproducente."

 

"Nenhum pregador pode subir ao púlpito sem antes ter descido, pela oração, os degraus da humildade.

 

Um jovem vivia criticando quem ia pregar, dizendo que, se fosse ele, pregaria muito melhor. Um dia, o pastor deu oportunidade ao moço para pregar. Ele subiu ao púlpito, orgulhoso, sorridente. Tentou achar um texto na Bíblia, de um lado para outro, e nada. Suou, pediu desculpa, e desceu cabisbaixo. Sentou noutro lugar, junto a um irmão experiente, que, percebendo sua tristeza, disse: "Moço, se você tivesse subido como desceu (humilde), teria descido como subiu (alegre)". É uma grande lição para todo pregador. - Internet 

 

"Do diário de John Wesley... Manhã de domingo, 5 de maio, preguei em uma igreja e me pediram para não mais voltar ali. Tarde de domingo, 5 de maio, preguei em outra igreja. Diáconos me mandaram sair e ficar do lado de fora. Manhã de domingo, 12 de maio, preguei em mais uma igreja. Não posso voltar lá. Manhã de domingo, 19 de maio, estive em outra igreja e os diáconos me chamaram e solicitaram que não retornasse. Tarde de domingo, 19 de maio, preguei na rua e me chutaram da rua. Manhã de domingo, 26 de maio, preguei em uma campina e soltaram um touro acabando com o culto e expulsando-me do local. Manhã de domingo, 2 de junho, preguei longe, na saída da cidade e fui expulso da estrada. Tarde de domingo, 2 de junho, preguei em um pasto e dez mil ouviram o meu sermão." Que belo testemunho de perseverança e amor ao Senhor! Wesley tinha motivos para desanimar diante de tanta resistência. A cada passo, um obstáculo, a cada tentativa, um insucesso. Quantas vezes deveria recomeçar? Quantos "nãos" deveria suportar? Valeria a pena a insistência? Wesley sabia que Jesus era o Caminho e não importava a indiferença de alguns e nem as investidas de outros buscando minar suas forças e sua perseverança. Ele tinha um propósito e lutaria até o fim pela realização de seu ministério. Hoje não é muito diferente. Aplicamos nossas vidas no serviço do Senhor, queremos transmitir a alegria que flui de nossos corações desde que Cristo passou a ser nosso Senhor e Salvador, e muitas vezes somos alvos de ironias e descrédito por parte daqueles a quem o Senhor nos ensinou a amar e com quem queremos dividir a nossa grande bênção. Mas, como Wesley, devemos seguir em frente, jamais desanimar, pois, temos certeza, a vitória será nossa em nome de Jesus!

 

Testes mostram que, na mente do público, as cores escuras (azul-escuro, cinza-escuro, marrom-escuro) dão um ar de austeridade às pessoas. As cores azuis e cinza são consideradas favoráveis. A cor amarela, cria um estímulo mental, aumenta a concentração e incentiva a conversação. O azul, tem um efeito tranqüilizante e refrescante, além de evitar a insônia. A cor laranja é estimulante, permite um ar mais jovial. A cor lilás é sedante e dá uma sensação de bem-estar par alguns. A cor rosa é aconchegante, traz calor e não é excitante visual. A cor verde recompõe visualmente e pode proporcionar efeito regenerador. A cor vermelha é excitante e pode provocar certas agitações e pode ser considerada irritadiça. Pregadores: As roupas também falam. - Noélio Duarte

 

Se o auditório tem mais comentários a fazer sobre sua roupa do que sua mensagem, provavelmente você está descontextualizado e não o sabe. - Noélio Duarte, em O Jornal Batista, 23.01.94.

 

No seu 25º ano de aniversário de ministério da pregação, o pastor, encontra uma maleta que a esposa mantinha escondida no canto, em cima do guarda-roupas, desde que quando começaram no ministério. Cheio de curiosidade, abre a maleta encontrando lá dentro três batatinhas e 5.000 reais. Confuso, vem perguntar a mulher o que era aquilo: "Querida, os 5.000 reais ainda compreendendo, mas as batatas!? Por que é que elas estão dentro da maleta?" E a esposa, admirada pela mala ter sido descoberta, explica o mistério: "Sabe, benzinho, eu, ao longo desse tempo todo de seu ministério, fui tendo o hábito de colocar uma batata dentro da maleta toda a vez que você prega um péssimo sermão. O pastor, muito pensativo, fez as contas e chegou à conclusão que três batatas em 25 anos de ministério não é tão mau assim. É então, que a mulher termina a história: "...e sabe, querido, quando a maleta ficava cheia de batatas, eu vendia as batatas e guardava o dinheiro nela!!!

 

Um orador que quer convencer tem de pensar com muita antecedência no que vai dizer. É necessário estruturar a fala com um princípio, um meio e um fim. Para a maior parte dos discursos, não se pode adotar o padrão simplista: "Em primeiro lugar eu lhes falo sobre o que vou lhes falar; a seguir, digo a coisa; e por fim, falo-lhes sobre o que lhes disse...". - Noélio Duarte, em O Jornal Batista, 07.06.1992.

 

Todo pregador tem esta experiência; há momentos em que ele procura um texto e há momentos em que o texto o procura. "Este foi o meu caso", disse um pregador, "Este texto me cativou desde o primeiro instante". - Fausto Aguiar de Vasconcelos, em O Jornal Batista.

 

É o caso de um menino que está chorando e a mãe lhe pergunta por quê. "Eu quero um biscoito", diz o pequerrucho. A mãe abre uma lata e dá ao filho um daqueles deliciosos sequilhos da "boa terra". O menino continua chorando. "E agora, o que há?", pergunta a mãe. O menino agora queria café. Prontamente a mãe lhe dá uma caneca de café. O menino mete o biscoito na caneca de café e ato contínuo abre um berreiro maior ainda. A mãe acorre aturdida. "Que foi? Que foi?" e o menino responde: "O biscoito bebeu o meu café e o café comeu o meu biscoito". Assim, disse eu, o pastor Belardim comeu o meu sermão e eu bebi o dele. Logicamente, não foi o mesmo sermão... - João Falcão Sobrinho, em O Jornal Batista.

 

Nos anos de estudos no seminário havia um colega que apreciava muitíssimo os sermões do Charles Spurgeon. Ele sempre escolhia um dos sermões do "Príncipe dos Pregadores", para servir de base para a preparação do seu próprio sermão. Por hábito, ele explicava aos colegas: "Estou melhorando os sermões de Spurgeon"!

 

As mais preliminares noções de fisiologia da audição dão conta de que a capacidade de retenção de mensagens, quando se está sentado e desconfortavelmente sentado, é aproximadamente 30 minutos. Após isto, o cérebro vai gradualmente se embotando na sua função de captar. Ao final de uma hora e meia o índice de retenção é de mais ou menos 30%. Fantástico, não é? Mas muita gente que lida com o público, desconhece isto. - Noélio Duarte

 

Longinus, o grande crítico literário da Grécia, dava a seus alunos o seguinte teste: "Quando você escrever algo, pergunte-se como é que Homero ou Demostenes o teriam escrito; e mais: pergunte-se como é que Homero ou Demóstenes o ouviriam? Quem nos conta isso é William Barclay, arrematando com um aviso aos pregadores: "Ao falarmos de Jesus, devemos falar como se Cristo estivesse ouvindo e de fato Ele está. Um teste assim nos fará evitar muitos erros. - João Soares da Fonseca, em O Jornal Batista.

 

É com muita sabedoria que John RW Stott, comenta a segunda carta de Paulo a Timóteo, e a divide em quatro exortações: Timóteo precisava guardar o evangelho, precisava sofrer pelo evangelho, precisava permanecer no evangelho e precisava pregar o evangelho. Entendo que aqui está o segredo de um ministério feliz e que poderá, sem dúvida, levar a igreja de Cristo a ser viva. - Jose Martins Capetine, em O Jornal Batista.

 

Um pastor, aos 47 anos de idade, declarou: "Prego desde os 16. Com 19 anos, eu já dirigia uma igreja. Mas até hoje, quando chega a hora de pregar, que incômodo! É o momento mais delicado do culto para mim. Angustia-me a responsabilidade. Tenho medo de falhar, de decepcionar a Deus, de não dizer o que as pessoas precisam, de não útil." - Isaltino Gomes Coelho Filho, em O Jornal Batista, 02.11.1997.

 

A Tilibra publicou, tempos atrás, dicas de como falar melhor. Uma delas foi: "Pronuncie bem as palavras, principalmente, não omitindo a pronúncia dos "s" e "r" e dos "i" intermediários. Por exemplo: fale PRIMEIRO, JANEIRO, TERCEIRO, PRECISAR, TRAZER, LEVAMOS; e não, JANERO, TERCERO, PRECISÁ, TRAZÊ, LEVAMO...

 

O príncipe dos pregadores batistas, como foi cognominado Spurgeon, nasceu em Kelvedon, Inglaterra, no dia 19 de junho de 1834. É uma figura admirável. Com a idade de 15 anos ele se converteu ouvindo um pregador leigo metodista em Colchester sobre o texto de Isaías 45.22. Com a idade de 16 anos pregou seu primeiro sermão. - Ebenezer Soares Ferreira, em O Jornal Batista.

 

Alguém calculou que, em média, o preparo de um sermão consome oito horas. Só os sermões de domingo, portanto, consomem dezesseis horas do pastor por semana, além das horas do estudo bíblico do meio da semana. Mas para preparar dois sermões que não sejam meros discursos teóricos mas atendam às necessidades espirituais do rebanho, o pastor precisa estudar, ler livros, jornais e revistas, ver programas de televisão, ouvir rádio, etc. - Tiago Lima, em O Jornal Batista.

 

Tem muitos trocando o ministério da pregação... Trocando o ministério pelo moneystério...

 

Aspectos a destacar de 2Tm 4.2: Os verbos para pregar e instar estão no imperativo e, portanto, são ordens; pegar não é opção, mas é missão obrigatória; o conteúdo da pregação é "a Palavra", termo usado para se referir aos ensinos de Jesus ou ao próprio Senhor Jesus (Jo 1.1); a pregação é urgente; a pregação é em todo o tempo. O jogo de palavras com os dois advérbios corresponde à expressão em português: "faça chuva ou faça sol", indicando que é a qualquer tempo. - Jonas Celestino Ribeiro.

 

De um pregador: "Em minha imaturidade, quando sentia chamada de Deus para o ministério pastoral, achava que teria apenas um grande desafio: "ter assunto" para pregar duas ou três vezes por semana para a mesma congregação ao longo dos anos. Ledo engano! Não é apenas esse o maior desafio".

 

Falando sobre o problema da falta de mentoreamente na igreja moderna, o pastor Joel Comiskey se referiu aos espectadores que assistem à performance pastoral de cada domingo, chamando-os de "degustadores de sermões". - Joel Comiskey, "Multiplicando a Liderança".

 

Vivi isto num culto. Eu estava orando: "Ó Deus, põe na minha boca as palavras que este povo deve ouvir". À minha mente veio uma frase: "Não se preocupe com o que este povo deve ouvir. Diga o que eu quero ouvir". Como pregador tenho procurado aprender isto: o que Deus quer ouvir? Talvez um pouco da resposta a esta confusão esteja aqui: o serviço cristão é para os homens ou para Deus? - Pr Isaltino Coelho

 

O Dr João Filson Sore, que pastoreou a Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro por mais de 50 anos, pregava no primeiro domingo de cada ano um sermão subordinado ao tema bíblico: "Dizem aos filhos de Israel que marchem". Segundo o testemunho de muitas das suas ovelhas, era a mensagem mais esperada do ano - sempre diferente e desafiadora. Ele mesmo testificou que o texto era inexaurível" (Aos Pés do Mestre, Ed. UFMBB, p.332).

 

John Wesley declarou certa feita que todo pregador precisa ter em uma das mãos a Bíblia e na outra, o jornal.

 

Agostinho, pastor de Hipona, quando inquirido acerca do segredo de seu ministério, a resposta foi taxativa e extremamente desafiadora: "Pregue o evangelho em todo o tempo. Se precisar, use palavras".

 

O pastor Mauro Israel Moreira, em sermão proferido na capela do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, no ano de 1998, observou: "Todo o sermão deveria ser uma "pedra nos rins", pois deve incomodar".

 

O pregador argentino Luis Palau conta que ao se converter ao cristianismo passou a ler a Bíblia marcando os versículos de que mais gostava. Quando começou a pregar, seus sermões eram baseados nesses textos selecionados. Um dia, diz ele, foi despertado por Deus para meditar e pregar em outros textos da Bíblia que jamais havia considerado. Essa atitude deve ser sempre perseguida por nós: meditar, pregar e nos comprometer com a totalidade da Palavra de Deus, não somente com aquelas partes que talvez mais apreciemos.

 

Oswald J. Smyth pegou durante muito tempo sobre o mandamento do amor, de João 13.34. Um dos presbíteros de sua igreja (ele era pastor presbiteriano) questionou-o: "O senhor não tem outro texto para pregar?" Ao que ele respondeu: "Tenho vários outros, mas vamos viver primeiro esse para depois passarmos aos seguintes, está bem?"

 

Modernamente, temos o clássico exemplo de Don Richardson, autor do livro O Totem da Paz. Ele passou a viver e pregar entre tribos canibais, e conseguiu tornar o evangelho compreensível para eles. Don Richardson nunca se tornou um canibal. Pelo contrário. Profundamente influenciados pelo Evangelho, aqueles nativos abandonaram o canibalismo e suas tenebrosas práticas fetichistas e imorais. Contextualizamos para influenciar, e não sermos influenciados.

 

Tese de mestrado de João Pedro Gonçalves Araújo: Na análise que faz de 521 sermões, nenhuma pregação houve em 2 Tessalonicenses, 2 João e Judas. Ademais, leve-se em conta que ele registrou apenas uma pregação em Filemon, 2 Pedro e 3 João.

 

A pregação deveria focalizar Cristo - o que fizemos e o que Ele fez por nós.

 

"Ninguém se preocupa em verificar se o que está sendo pregado é verdadeiro ou falso. Um sermão é um sermão, não importa o assunto; só que quanto mais curto melhor". Já faz mais cem anos que Spurgeon proclamou essas palavras, mas, infelizmente, elas ainda continuam atuais para os nossos dias.

 

Uma das definições que mais gosto de pregação é aquela de Phillips Brooks: "A pregação é a comunicação da verdade divina por um homem aos homens com o fim de persuadir".

 

O pastor Isaltino Gomes conta de uma ex-ovelha, paciente terminal, que ao visitá-la no hospital, esperava vê-la prostrada na cama, mas que a via testemunhando junto às enfermeiras. Ela mesma era enfermeira, e, quando podia, saía para conversar com outros doentes. E disse-lhe: "Pastor, esta cama é meu púlpito". É isso! Onde um crente em Jesus está, está um púlpito. Não apenas para pregar o evangelho, mas mostrar o que o evangelho fez na vida.

 

"O púlpito – como disse Jorge Herbert – é nosso gozo e trono”. - Rev. Robert Murray McCheyne, Revista Os Puritanos.

 

Se você estivesse com um moribundo e soubesse que ele tinha apenas meia hora de vida, de que lhe falaria? Explicaria alguma curiosidade da Bíblia? Falaria da exigências dos mandamentos de Deus? Não lhe falaria daquilo que é mais importante: sobre sua condição de perdido em que se acha por natureza e do seu estado de inimizade com Deus, urgindo-o a arrepender-se? Não lhe contaria a respeito do amor e da morte do Senhor Jesus Cristo? Não lhe diria do poder do Espírito Santo? São estas as coisas vitais que o homem deve receber, e sem as quais perecerá. Estes são os grandes temas da pregação. - Rev. Robert Murray McCheyne, Revista Os Puritanos.

 

Charles Spurgeon, considerado o príncipe do púlpito batista, começou a pastorear com 18 anos de idade e com 21 tinha feito uma revolução na Inglaterra. Quando sua igreja dedicou um templo com capacidade para 5000 pessoas, outras 5000 ficaram do lado de fora. Aos quintos domingos de cada trimestre ele pedia para os membros da igreja não irem para dar oportunidade às pessoas que tentavam assistir um culto lá e não conseguiam. Ele conta, em uma de suas obras, que numa ocasião teve um sonho. Neste sonho, Deus lhe disse: “Você não vai receber um galardão sequer por todas estas pessoas que se convertem aqui na Igreja”. Spurgeon perguntou: “Por quê?”. A resposta foi: “O galardão é daquele senhor idoso, cego, que se senta no primeiro banco orando pelos perdidos”. Não há alguém que não possa dizer: ”Eu não tenho nada para fazer!”. Tem o ministério da oração, da solidariedade, da compreensão. Pode ser útil. - Isaltino Gomes Coelho Filho

 

"A antiga verdade que Calvino, Agostinho e o apóstolo Paulo pregaram é a verdade que eu devo pregar hoje; do contrário deixaria de ser fiel à minha consciência e ao meu Deus. Não posso remodelar a verdade; desconheço tal coisa como lapidar uma doutrina bíblica. O evangelho de John Knox é o meu evangelho. Aquilo que trovejou por toda a Escócia precisa trovejar novamente por toda a Inglaterra." C. H. Spurgeon - Fonte: Renato Vargens

 
Lendo um livro que funcionava como os anais de um Congresso para pastores e líderes, fiquei profundamente surpreso com o testemunho de um pregador sobre a fonte de inspiração do Ver. Samuel Kamaleson. Nos momentos livres do Congresso, dizia esse famoso pregador, o reverendo Samuel saía do local e se aventurava a andar pelas matas próximas ao hotel, observando a natureza e tirando dela fontes riquíssimas de ilustração e de inspiração pra sua vida e dos demais participantes.  O Jornal Batista. 16/12/06

 

Tem pregador que deveria ouvir o que um sujeito acabou ouvindo outro dia: Sabe, querida, quando você fala me faz lembrar o mar... - Puxa, amor. Não sabia que te impressiono tanto. - Não é que me impressione. É que enjoa. 17/12/06

 

O homem ou a mulher que vai trovejar na corte de Faraó com o imperioso “Assim diz o Senhor” precisa primordialmente estar de pés descalços diante da sarça ardente”. – Donald Barnhouse. Visão Missionária-1Trm2005. 18/12/06

 

Precisamos recuperar algo do espírito de John Knox cuja pregação fazia tremer a Maria, Rainha dos Escoceses. - David Martyn Lloyd-Jones, Extraído do Jornal "Os Puritanos" Ano III Nº 3. 11/1/07

 

Pregação faz-se com “Unção” e não com “Emoção”. 12/1/07
 
O pastor José Alves Silva Bittencourt afirmava: “o gado vai ao cocho que tem alimento”. Isto era para ensinar que se quisermos uma Igreja crescente em número e espiritualidade, necessário se torna que o alimento do púlpito seja saudável e com grande poder nutritivo. 17/1/07
 
O pregador necessita falar direito, pode não falar bem como deveria, mas requer-se que fale direito. Outro dia um adolescente contou pra mim: “Pastor, agora é preciso bastante cuidado, porque um pastor disse no rádio, durante a pregação: “Agora vamos usar a Pistola de Paulo aos Romanos!”
 
Um amigo de Robert Roberts (grande pregador do País de Gales) perguntou-lhe onde conseguiu a inspiração para o sermão que motivou, segundo muitos, o grande avivamento de Gales. Roberts levou-o a um local onde ele disse ter passado quatro dias e quatro noites de joelhos em oração. "Aqui, meu amigo, é o lugar de todos os grandes sermões."
 

 Certo pastor toma uma lotação para ir até a igreja. No trajeto, o motorista faz inúmeras barbeiragens, termina colidindo e matando todos os passageiros. O pastor chega no céu juntamente com o motorista e na hora da entrada um Anjo lhe diz: “_O senhor vai ter que aguardar”, e ao motorista diz: “_ Pode entrar”. O pastor indignado pergunta o por quê, e o anjo lhe explica: -Enquanto o senhor ministrava, todos os membros dormiam, enquanto este pobre rapaz dirigia, todos passageiros ORAVAM !!! 9/4/07

 
Não abuse das citações. Como costuma dizer um amigo meu: "Quem cita os outros não tem idéias próprias". Então, se for citá-las, seja criativo. 18/4/07
 

Um jovem, recém formado em seu curso de Teologia, chegou  ao púlpito, impecavelmente  vestido e mostrando-se muito confiante em si mesmo. Ele começou a pregar o seu primeiro sermão naquela que era a sua primeira igreja e as palavras simplesmente não saíam. Sentindo-se    envergonhado e derramando lágrimas, ele deixou a plataforma onde estava pregando. Duas senhoras, já idosas, que estavam sentadas na primeira fila da igreja, comentaram entre si: "Se  ele entrasse como ele saiu, ele sairia como ele entrou." Muitas vezes perdemos grandes bênçãos  exatamente por nos julgarmos auto-suficientes e por acharmos que não dependemos de Deus para nada. 23/4/07

 

George Whitefield, o evangelista, escreveu: “Ministros nunca escrevem ou pregam tão bem como quando debaixo da cruz; o Espírito de Cristo e de glória paira então sobre eles”. 24-12-2007

 

A. W. Toze num dos seus livros, conta que ouviu um sermão de um seminarista que dizia: “Nao ouça o homem que não ouve a Deus”. 24-12-2007

 

Certa vez, na Inglaterra, um pastor pregou um sermão que desagradou ao Rei Henrique VIII, que estava presente no culto. O Rei exige que o pastor se desculpasse no sermão seguinte. No domingo seguinte, Latimer, o pastor, começou a pregar assim: “Latimer, sabes que terás de falar hoje diante do poderoso mnarca, que pode tirar-te a vida ou te enviar às galés? Pensa bem, Latimer, o que vais fazer, pois és ministro de Deus, e ele tem estado presente em todos os teus caminhos. Transmite, pois, com fidelidade ao Rei dos reis a tua mensagem.” E em seguida, Latimer pregou o mesmo sermão que havia pregado no domingo anterior À tarde, o Rei Henrique VIII mandou chamar o pregador e lhe perguntou como se atrevia a dizer o mesmo sermão, já que o mesmo havia sido censurado. E Latimer respondeu: “Majestade, o meu dever é anunciar a verdade de Deus, mesmo que a vida me seja tirada. E eu fui fiel ao meu mandato.” Impressionado, o Rei disse: “Louvado seja Deus. Tenho um servo tão fiel.”  25-12-2007

 

Quando a Palavra de Deus é ensinada de forma desinteressantge, as pessoas não somente acham o pregador chato, como também pensam que Deus é chato. 08-01-2008

 

Dicas do professor de expressão verbal Reinaldo Polito: Clareza: faça pequenas pausas durante as frases; pronuncie corretamente as palavras e alterne o tom da voz. Isso ajuda na compreensão da mensagem. Gestos: saiba olhar e usar expressões faciais; procure olhar globalmente ouvinte durante uma apresentação e faça gestos que correspondam a uma informação, mas sem excessos. Língua: fale usando a norma culta da gramática. Além disso, empregue figuras de linguagem e a repetição de palavras no início de frases seguidas para dar vida ao discurso. Preparo: o bom orador deve imaginar todas as perguntas que poderão ser feitas antes de se apresentar, para evitar surpresas. Estado de S. Paulo. 09-01-2008
 
Quando falar, fale de modo claro. Por que florear a coisa, dizendo: "Derramar água pelo chão por meio do tombamento violento e premeditado de seu recipiente, enquanto tudo que se quer dizer é “Chutar o balde”? 10.1.2008
 
Um freqüentador de Igreja escreveu para um jornal, e reclamou que não faz sentido ir à Igreja todos os cultos: Eu tenho ido à Igreja por 30 anos e durante este tempo eu ouvi uns 3.000 sermões e não consigo lembrar nenhum deles... Assim, eu penso que eu e os Pastores estamos desperdiçando tempo. Esta carta iniciou um grande debate na coluna Cartas ao Editor. Isto foi por semanas, até que alguém escreveu algo muito interessante: Eu estou casado há 30 anos. Durante este tempo minha esposa deve ter cozinhado umas 32.000 refeições. E eu não consigo me lembrar do cardápio de nenhuma delas. Mas de uma coisa eu sei... Todas elas me nutriram e me deram a força que eu precisava para fazer o meu trabalho e sem estas refeições, certamente eu estaria hoje fisicamente morto. Da mesma maneira, se eu não tivesse ido à Igreja para alimentar minha fome espiritual, eu estaria hoje morto espiritualmente. 23-01-2008
 

Lembro-me da história de um pastor que após assumir um novo pastorado, notou que um dos principais membros da igreja começara a se ausentar dos cultos. Encontrando-se com esse irmão na rua, o pastor disse: "Irmão, eu tenho sentido a sua falta na igreja". O irmão respondeu: "Pastor, eu vou ser franco: eu não vou com a sua cara e não gosto dos seus sermões". Diante disso, o pastor retrucou: "Então me aperte a mão; eu também não gosto da minha cara, e gostaria de melhorar meus sermões, e peço que o irmão me ajude e ore para que eu os melhore". Este irmão foi conquistado pelo pastor e tornou-se um dos membros mais dedicados da igreja. AMADOS! Cultivemos esse amor! O nosso exemplo é JESUS. 30-01-2008

 

Era um domingo terrivelmente quente. O culto era às 2 horas da tarde. A capela estava apinhada de gente. Duas das quatro janelinhas estavam emperradas e não abriam um centímetro. O único ventilador existente estava pifado. A impaciência era generalizada. O pastor já estava no púlpito uns bons 25 minutos e, ao que parecia, o sermão estava lá pela metade. Foi então que o pastor fez uma pergunta retórica e fatal: "E depois de tudo isso, o que mais posso dizer, meus irmãos?" Do fundo do templo ouviu-se uma tímida, prestativa - e suada resposta: "Que tal um amém, pastor?"
 
Na Jamaica, Deus falou em sonho a um menino de onze anos, chamado Aston. Certa noite sua mãe o ouviu exclamar em alta voz: "Aleluia!", e per-guntou-lhe qual o motivo daquilo. Aston contou-lhe que Jesus lhe aparecera em sonho, instruindo-o a ir a seus vizinhos e falar-lhes da Sua breve volta. Numa aldeia distante, na Birmânia, um velho teve um sonho. Hman Tun Sem era um ancião muito respeitado pelos habitantes da aldeia. Em sonho, o velho cavalheiro viu muitos de seus concidadãos e mestres religiosos sofren­do num lago de fogo. Isso muito perturbou Hman Tun Sem, e começou então a procurar a verdade. Veio-lhe outro sonho. Desta vez viu dois homens visi­tando sua aldeia e levando uma salvadora mensagem de livramento. Logo fo­ram àquela aldeia dois missionários. Ele os reconheceu imediatamente. E as­sim a obra de Deus se estabeleceu na cidade de Zayasa. 12.2.2008
 

Terêncio tinha o espírito nublado pelo álcool, quando cambaleava pela rua de sua cidadezinha, naquela noite de verão. Com alguns companheiros, ele saíra para uma "folia". Na volta, pararam o carro junto a uma tenda, onde estava em andamento uma reunião evangélica. Ecoavam para fora os lindos hinos de Sião. Terêncio e seus companheiros puseram-se a ridicularizar o can­to. A religião não tinha lugar em suas cogitações. - Ora, vamos entrar! - insistiu Terêncio, pouco sabendo do que se trata­va. Entraram todos. A maior parte deles permaneceu ali por apenas alguns minutos. Terêncio ficou até o fim. "A Palavra de Deus foi direta ao meu coração naquela noite", confessou-me ele, meses mais tarde. "Fez de mim um novo homem. Desde aquela noite nunca mais toquei num copo de álcool. Minha esposa e filhos me acompanha­ram depois para aquela tenda, e as verdades bíblicas que ouvimos nos trans­formaram a vida. Todos fomos batizados e recebidos na igreja." "A Palavra de Deus é viva e eficaz", diz Paulo, "e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração" (Hb 4.12). Explica o apóstolo Pedro que somos "de novo gerados", ou convertidos, "pela Palavra de Deus" (1 Pe 1.23). 14.2.2008

 

"Eis que tu és para eles como quem canta canções de amor, quem tem voz suave e tange bem; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra" (Ez 33.32). Estava um missionário falando a um grupo de hindus. De súbito, uma das senhoras se levantou e retirou-se. Pouco depois voltou, ouvindo com mais atenção que antes. No final do culto, o missionário lhe perguntou o motivo de sua saída. - O senhor sabe - respondeu ela - eu fui perguntar a um de seus servos se o senhor realmente pratica as coisas que prega. Ele me afirmou que sim, e eu voltei mais interessada que antes. E estou ansiosa por ouvir mais de alguém que vive aquilo que ensina aos outros. 18.2.2008

 

O Novo Testamento prega um Cristo que esteve morto e está vivo; não um Cristo que esteve vivo e está morto - James Denney. 21.2.2008

 

Por causa de pregação que diz "venha como está para Jesus!", muitos pensam que devem continuar como estão, sem se importar com a transformação interior decorrente da conversão, e com a transformação exterior, que é o reflexo da ocorrida anteriormente . 21.2.2008

 

McKonkey, autor de edificantes obras devocionais, narra o se­guinte: "Sermões muito bem estudados, eloquentes, não conseguiram uma só conversão no meio de tantas pessoas que, em certa ocasião, assistiam a prédicas ao ar livre. Mas, ouvindo as mensagens piedosas de um homem despreparado que manifestadamente falava cheio do Espírito, toda a congregação derramou lágrimas de arrependimento de pecado". 22.2.2008

 

Conta-se que D.L. Moody realizava em Londres uma de suas cruzadas, e naquela noite pregaria sobre o arrependimento. Chegando ao local, foi informado de que D. Pedro II, Imperador do Brasil, estava no auditório. Moody não mudou a mensagem; pregou sobre arrependimento. No meio da mensagem, olhou na direção do Imperador e afirmou: "Até mesmo um grande imperador precisa arrepender-se e crer em Jesus Cristo". Do outro lado do estádio D. Pedro balançou a cabeça afirmativamente. O homem moderno precisa urgentemente ouvir esta mensagem: Arrepende-te, pois é a ordem divina. Revista Manancial UFMBB - 13.3.2008

 

Como disse J.I.Packer, "por toda a sua vida, alimentou a sua alma com a Bíblia; por toda a sua vida, alimentou      seu rebanho com a Bíblia." Visão Missionária 2T1998. 14.3.2008

 

Billy Graham pregava em um lugar e lhe disseram que muitas pessoas tinham vindo de longe para vê­10. Queriam tocá-Io e obter autógrafos. Sugeriram-lhe andar pelo meio do povo antes da pregação, para ser visto, tocado e dar autógrafos. Sua resposta foi seca: "Deus não reparte sua glória com o homem". 14.3.2008

 

Em certa ocasião, um crítico desafiou o comprometimento de Lloyd-Jones com o evangelismo, fazendo a seguinte pergunta: "Quando vocês realizaram a última campanha de evangelização na Capela de Westminster?" A resposta de Lloyd-Jones não tinha propósitos humorísticos: "Realizamos campanha todos os domingos", Quando preparava alunos para o ministério pastoral, ele disse: "Contesto com firmeza e insisto que toda igreja deveria realizar um culto evangelístico todas as semanas". No ministério de Lloyd-Jones, era o culto de domingo à noite que satisfazia este propósito. Ele manteve essa prática desde o início do seu ministério, em 1927, até que o concluiu em 1968. 14.3.2008

 

Em suas Meditações Sobre A Morte, Baxter revela o coração do pregador: "Meu Senhor, não tenho nada a fazer neste mundo, exceto buscar-Te e servir-Te; não tenho nada a fazer com o coração e suas afeições, exceto amar-Te intimamente; não tenho nada a fazer com os lábios e com a caneta, exceto falar sobre Ti, a favor de Ti, e publicar a tua glória e a tua vontade". 17.3.2008

 

Spurgeon nos fala sobre um pastor que "pregava tão bem e vivia tão mal, que, ao subir ele ao púlpito, todos diziam que ele nunca devena sair dali; e, quando ele saía do púlpito todos declaravam que tal pastor nunca mais deveria retomar ao púlpito". 17.3.2008

 

J. C. Ryle, ao escrever sobre os pregadores do avivamento do século dezoito, afirmou que nenhum deles, por um momento sequer, acreditava ter ocorrido verdadeira conversão, se não era acompanhada de santidade pessoal. 18.3.2008

 

"De nada nos serve caminhar para pregar, se não pregamos enquanto caminhamos, " (Francisco de Assis). 32T88 – MANANCIAL. 25.3.2008

 

Antes de iniciar a pregação, diga aos membros da igreja sem a Bíblia: “Você pode trazer a Bíblia, tá!” 25.3.2008

 

Em 1983, eu era um estudante da escola bíblica e era consumido pela lascívia. A conversão magnífica que havia experimentado há apenas alguns meses foi esvaziada de toda sua glória pelo pecado sexual que eu voltara a cair. Eu estava desesperado por ajuda, mas não sabia a quem ou onde procurar. Um dia, porém, o pastor da igreja que eu estava freqüentando anunciou que, na semana seguinte, ele falaria sobre lascívia. Eu estava explodindo de alegria! Mal pude esperar até o domingo seguinte. Naquele dia ansiosamente aguardado, depois de o culto de adoração parecer mais longo que eu já havia participado, o pastor subiu ao púlpito e começou sua mensagem. Durante os 45 minutos seguintes, a congregação recebeu uma mensagem severa sobre por que é errado entregar-se à luxúria. Eu sabia que era errado; eu precisava de respostas de como dominar a lascívia em minha vida! Saí da igreja mais desanimado do que nunca. Steve Gallagher, em No Altar da Idolatria Sexual. 08.04.2008

 

Os especialistas em comunicação demonstraram que apenas 7% da mensagem que enviamos são compostas pelas palavras que dizemos. 35% da nossa mensagem vêm do nosso tom de voz, e os restantes 58% são enviados através do nosso corpo: contato dos olhos, expressões faciais, movimentos dos ombros etc. 5.5.2008

 

Há uma mensagem de "graça barata" e "coroa sem cruz" caracterizando o cristianismo morno e apagado dos nossos dias. 6.5.2008

 

Há quem pregue, pregue e as pessoas continuam no endereço!  15.5.2008

 

Moramos em um bairro onde as pessoas costumam regar seus gramados. Para regar nosso gramado temos de estar sempre mudando o regador para as áreas que mais necessitam de água. Como você pode imaginar, essa tarefa é cansativa. Alguns vizinhos possuem sistemas de irrigação que regam todo o gramado com o abrir de uma só válvula. Isto não somente é fácil para eles, mas também é melhor para o gramado. O povo de Deus às vezes é semelhante a um gramado que precisa ser regado. Imagine, se você puder, que as várias áreas de nossa vida assemelham-se às várias partes de um gramado. Por exemplo, a devoção pessoal é uma área; a vida familiar, outra; a vida na igreja, outra; etc., etc. Essas áreas se tornam secas, e nos sentimos sem vida. Sabemos que não somos tão piedosos quanto deveríamos ser. Talvez, perdemos nosso zelo na oração particular ou negligenciamos nossas responsabilidades pessoais. É possível que a pregação da Palavra se torne cansativa para nós, e nosso amor pelos irmãos esfrie-se. Estamos secos; precisamos da água da graça e da paz de Deus. Estamos mundanos e carecemos de espiritualidade. Como podem todas essas diferentes áreas de nossa vida obter a água que necessitam para ficarem saudáveis? Uma maneira de conseguirmos essa água é utilizar o método que usamos em casa, quando regamos nosso gramado: mude o regador para uma área específica que está seca, a fim de regá-Ia. A atitude correspondente no âmbito da vida cristã pode envolver a pregação pastoral de uma série de sermões a respeito da vida da igreja, ou ler um livro sobre responsabilidades familiares, ou dedicar atenção intensiva e particular sobre aquela área problemática. Quando aquela área estiver encharcada pela Palavra de Deus, devemos dirigir-nos para outra área que está seca. Em nossas vidas, existe realmente um tempo para esse tipo de irrigação focalizada. 15.5.2008

 

Spurgeon (1834-92) foi o mais conhecido pregador da Inglaterra pela maior parte da segunda metade do século dezenove. Seus sermões foram traduzidos em muitas línguas, sendo especialmente populares nos Estados Unidos. Spurgeon escreveu 135 livros durante 27 anos (1865-1892) e editou uma revista mensal denominada A Espada e a Espátula. Seus vários comentários bíblicos ainda são muito lidos, dentre eles: O Tesouro de Davi (sobre o livro de Salmos), Manha e Noite (devocional) e Mateus - O Evangelho do Reino. Até o último dia de pastorado, Spurgeon batizou 14.692 pessoas.  As pessoas que ouviam Spurgeon, naquela época, faziam considerações sobre ele que deixariam qualquer evangélico orgulhoso. O jornal The Times publicou, certa ocasião, a respeito do pastor inglês: Ele pôs velha verdade em vestido novo. Já o Daily Telegraph declarou que os segredos de Spurgeon eram o zelo, a seriedade e a coragem. Para o Daily Chronicle, Charles Spurgeon era indiferente à popularidade; um gênio, por comandar com maestria, uma audiência. O Pictorial World registrou o amor de Spurgeon pelas pessoas. Na ocasião em que ele morreu - 11 de fevereiro de 1892 -, seis mil pessoas leram diante de seu caixão o texto de Isaías 45.22a: “Olhai para mim e sereis salvos, vós todos os termos da terra”. 27.7.2008

 

"Qual dos meus argumentos levou-o a receber Cristo no coração?" perguntou um missionário no Egito a um maometano muito cortês que pregava a Jesus com grande zelo e sucesso. A resposta surpreendeu ao missionário: "Todos os seus argumentos eu podia refutar, pelo menos para minha satisfação. Foi a sua vida que me convenceu da salvação em Cristo". Cabe a nós viver em perfeita comunhão com o Senhor. O que mais Deus espera de nós, Seus filhos, é uma vida santa e dedicada. Ele nos salvou, nos recebeu de braços abertos, perdoou todos os nossos pecados e preparou-nos para viver de maneira abundante. Ele nos amou mesmo sendo nós infiéis e rebeldes. Ele cuida de nós como a jóia mais preciosa deste mundo. Ele nos confiou a tarefa que os anjos desejavam realizar -- levar a Palavra de transformação para todos os que, longe dEle, caminham sem rumo e sem perspectiva de chegar a lugar algum. A nossa palavra pode ser firme e eloquente. Pode ser meiga e cheia de ternura. Pode alegrar o coração de uma pessoa aflita e fortalecer os cansados e decepcionados com as lutas do caminho. Mas a nossa principal pregação consiste em viver de acordo com os ensinos das Sagradas Escrituras. É através do brilho de uma vida transformada que muitos acharão o Caminho pelo qual procuram por toda a sua vida. Uma palavra de amor traz regozijo ao angustiado, um gesto de amor lhe assegura que a vitória logo virá. Uma palavra suave acalmará o oprimido, mas uma vida cheia de paz o libertará. Uma palavra de fé renovará o abatido, mas uma vida confiante lhe fará ver a Deus. O Senhor é santo. Nossa vida precisa ser santa. Assim agradaremos ao Senhor, seremos felizes e mostraremos o caminho da vida eterna aos nossos amigos. 31.7.2008

 

Pregador: por que complicar? Ao invés de dizer: "Derramar água pelo chão através do tombamento violento e premeditado de seu recipiente". Por que não falar: "Chutar o balde"? 27.10.2008

 

Alguns anos atrás, um pregador mudou-se para Houston, Texas/EUA. Poucos dias depois que chegou, teve que ir de ônibus de sua casa até o centro da cidade. Quando se sentou, descobriu ter recebido 25 centavos a mais no troco pelo que pagara pela passagem. Considerando o que deveria fazer, pensou: - É melhor devolver os 25 centavos. Seria errado mantê-lo. Então ele pensou: - Oh!, esquece. Apenas 25 centavos. Quem se preocuparia por quantia tão pequena? Além do mais, a empresa de ônibus já tem bastante; nunca sentirão falta. Aceite-o como um presente e fique quieto. Quando chegou ao ponto onde desceria do ônibus, parou momentaneamente na porta, então entregou a moeda ao motorista e disse: - Tome, você me deu troco a mais. O motorista, com um sorriso, respondeu, - Você não é o novo pregador? Eu tenho pensado sobre ir lhe ouvir. Eu queria apenas ver o que você faria se eu lhe desse troco a mais. Quando nosso amigo saiu do ônibus, agarrou-se literalmente o poste mais próximo, e disse: "Oh! meu Deus, me perdoe! Eu quase vendi seu filho por vinte e cinco centavos!" Pensemos nisto! 20.11.2008

 

"Qualquer ensinamento que não se enquadre nas Escrituras deve ser rejeitado, mesmo que faça chover milagres todos os dias".

(Martinho Lutero). 19.1.2009

 

O pregador, em um culto de final de semana, usou a figura de uma serpente como ilustração. Ao final, enquanto a congregação saía do templo, seu filho, de três anos de idade, puxou seu paletó e perguntou: "Papai, o que você disse é realmente verdade ou estava somente pregando outra vez?" Ao ler a anedota, que serve como ilustração, devemos refletir se a nossa palavra tem sido verdadeira ou não. Preocupamo-nos realmente com o que dizemos ou o que falamos depende do local e ocasião? O Senhor Jesus Cristo pode estar ao nosso lado quando conversamos com nossos amigos ou Ele se sentiria envergonhado? 27.1.2009

 

“Por mais erudito que um homem seja, por mais perfeita que seja sua capacidade de expressão, mais ampla sua visão das coisas, mais grandiosa sua eloqüência, mais simpática sua aparência, nada disso toma o lugar do fervor espiritual. É pelo fogo que a oração sobe aos céus. O fogo empresta asas á oração, dando-lhe acesso a Deus; comunica-lhe energias e torna-se aceitável diante do Senhor. Sem fogo não há incenso; sem fervor não há oração.” (E.M. Bounds). 27-01-2009

 

Quando meu filho Steve entra num ambiente, muitas vezes recebe respeito imediato. As pessoas querem apertar-lhe a mão. Elas sorriem. Cumprimentam. Agradecem. Isso acontece na igreja e nos restaurantes; acontece em qualquer lugar para onde ele vai - quando ele veste o uniforme da Marinha dos EUA. Quando veste o uniforme, Steve recebe respeito instantâneo porque todos sabem que ele está a serviço. Ele renunciou a muitas liberdades e desejos pessoais para servir o seu país. As pessoas respeitam o trabalho. Nós honramos os policiais que estão servindo. Mostrando admiração aos militares que servem. Mas será que damos a mesma honra e respeito àqueles que estão num serviço muito maior - servindo a Deus? Mostramos respeito para com nossos pastores, missionários, professores da escola dominical? As Escrituras nos dizem que devem dar honra a quem merece honra (Romanos 13:7). Especificamente, ela nos diz que são dignos de dupla honra aqueles cujo trabalho é a pregação e o ensino (1 Timóteo 5:17). Em vez de criticar seu pastor, professor ou líder espiritual, deixe que outros ouçam suas palavras de gratidão e louvor pelo serviço deles. Ore por eles. Os servos de Deus merecem nosso respeito e honra. 19-02-2009

 

Na hora da pregação: “Se o irmão em Cristo não tem uma Bíblia para acompanhar a mensagem, por favor, sentar aí perto de um crente...” 19.2.2009

 

Você está fazendo uma palestra, dando uma aula, pregando e num dado momento, precisa ter a atenção de todos focada no assunto. Você pode lançar mão do seguinte recurso: pergunte “ Claro pra você? ...oi Oi, Vivo, Tim? 9.3.2009

 

Alguns pregadores que por aqui passam afirmam que os que são indocumentados devem voltar para o Brasil. São oportunistas. É intrigante o fato de usarem nossos púlpitos para dizerem isto. Mais intrigante quando recebem nossas ofertas gordas em dólares americanos – dinheiro de dízimos e ofertas de imigrantes indocumentados, diga-se de passagem, de gente dígna que trabalha duro, gente abençoada. A maioria (95%) dos pregadores convidados que vêm pregar nos Estados Unidos vêm com o Visto B1-B2 (de turista). Os que vêm participar de conferências com este tipo de visto, pela Lei, podem ser apenas ouvintes, não preletores.  As ofertas que recebem deveriam declarar ao fisco americano. Provavelmente não declaram nem ao fisco brasileiro. Podem declarar se quiserem, pois o Governo Americano emite legalmente um documento (ITIN – uma certa identidade de pagador de imposto) reconhecendo que imigrantes indocumentados trabalham aos milhões por aqui e precisam pagar seus impostos. Os imigrantes indocumentados trabalham ilegalmente, mas legalmente pagam impostos com este número fornecido pelo Governo. Pura hipocrisia oficial! Uma necessidade contundente, porém. Quem trabalha precisa mesmo pagar impostos. Deveria todavia usufruir de todos os benefícios sociais que seus impostos pagos deveriam prover. Aqueles pregadores visitantes ao pregarem sem autorização são ilegais por uma semana ou por um mês ou dois. Os outros por muitos anos. Dá no mesmo.  Para pregar ou cantar em igrejas e receber ofertas é preciso portar o visto religioso, pois aqui na terra do Tio “$am” pregar o Evangelho é “profissão” e para receber oferta (honorário) tem que ter visto apropriado. É tão ilegal quanto é ilegal grande parte de evangélicos sonegarem impostos em seu país. É pecado sonegar impostos? É a pergunta que nacionais e estrangeiros fazem em qualquer país. Jesus disse: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.”  - Josimar Salum25.5.2009

 

Um companheiro de Wesley, Samuel Bradburn, era altamente respeitado por seus amigos e muito usado por Deus em seu pastorado. Em certa ocasião, estava desesperado em grande necessidade financeira. Quando Wesley soube das circunstâncias que envolviam seu amigo, mandou-lhe uma quantia em dinheiro junto com a seguinte carta: "Querido Sammy, Confia no Senhor e faze o bem; assim habitarás na terra, e te alimentarás em segurança. Com afeto, Wesley." a resposta de Bradburn foi imediata. "Querido amigo: frequentemente eu me sinto tocado com a beleza da passagem da Escritura citada em sua carta, mas eu devo confessar que eu nunca havia visto uma nota expositiva tão útil nela antes." Mais do que simplesmente pregar ou citar uma Escritura, devemos acima de tudo mostrar, na prática, o seu ensino. De nada adiantaria eu dizer que Deus é amor, que transformou a minha vida, e continuar sendo o mesmo  avarento, egoísta e indiferente de antes. Como um incrédulo acreditaria se eu lhe dissesse que na presença  do Senhor há plenitude de alegria se eu vivo triste, de mau-humor e murmurando por tudo que me acontece. Como convenceria a um amigo que "tudo é possível ao que crê" se vivo lamentando a sorte e dizendo que não há solução para meus problemas? A pregação realizada por nossas vidas e nossos testemunhos tem muito mais valor do que aquela apenas proclamada no púlpito de uma igreja ou num encontro em praça pública. A nossa pregação deve retratar a realidade em que vivemos e os costumes praticados durante nossos dias. Nossa vida deve ser uma vitrine onde todos que passam possam ver a exposição viva do que significa fé, alegria, paz, amor, júbilo e obediência. As verdades bíblicas são mais brilhantes e coloridas quando estampadas na vida de um filho de Deus. Você costuma pregar a palavra de Deus? E vive tudo aquilo que prega? 27.8.2009

 

A mensagem é soft, estimulante, sem falar de responsabilidade. Oferece bênçãos. A vida cristã também é enfocada assim. Só celebração e festa, sem chamado a assumir a cruz de Cristo. Duas décadas atrás, éramos chamados de crentes, e recitávamos muito 2Crônicas 7.14: "Se o meu povo, que se chama meu nome, se humilhar, orar e foi Deus e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, eu ouvirei dos céus, perdoarei o seu pecado e sararei a sua terra". Hoje, somos chamados de evangélicos, e os versículos são de louvor e celebração. Não queremos falar de culpa, pecado e responsabilidades. Muita gente não pede oração ao Deus, mas exige seus direitos. Como Deus tem senso de humor (Sl 2.4) elas correm o risco de ouvirem-no dizer: "Salta uma dose dupla de inferno para ele!"30.9.2009

 

Isaltino: “Prego que só Jesus Cristo salva. Mas se alguém não quiser ser salvo, Deus não o salvará à força. Você é responsável por sua vida.”30.9.2009

 

A criança pode ficar confundida se lhe fôr dito para pedir a Jesus que entre em seu coração, pois, perguntará como Jesus pode entrar em seu corpo. Maior confusão causará se lhe disser que deve dar o seu coração a Jesus. Para a maioria das crianças é mais fácil compreender que se tornam membros da família de Deus, quando crêem no Senhor Jesus como Salvador delas.30.9.2009

 

Aquele era um pregador diferente. Hábitos simples, casa modesta, mas mesmo assim andava sempre de cabeça erguida. Era até elegante, a seu jeito. Seu ponto forte era a pontualidade. De fato, alguns acertavam seus relógios por ele, tal seu amor por acordar na hora e dormir cedo. Embora fosse dono de uma voz possante, era daqueles pregadores que pregam sempre a mesma coisa. Todo dia a mesma mensagem, como se fosse uma música de uma nota só. Mas era uma pregação eficaz. Muitos ouviam e, de certa forma, sentiam-se despertados. Outros não ligavam. E ainda haviam outros que, empedernidos, tapavam os ouvidos para não ouvir sua voz. Mas houve uma vez em que algo muito diferente aconteceu. O pregador subiu a seu púlpito e, como todos os dias fazia, entregou sua mensagem, a mesma de sempre. Naquele dia, entre os seus ouvintes, havia um homem especial. Não tanto por sua posição social, mas pelas experiências de sua vida. Aquele homem havia presenciado maravilhas de Deus, mas agora estava distante de Jesus. As pessoas que o conheceram dizem que ele recebeu uma profecia, na qual Deus lhe revelou que ele ouviria a mensagem do pregador e se arrependeria, mas o homem não deu importância a isso. Para falar a verdade, naquele dia ele nem estava prestando atenção no pregador, estava em outro lugar, mas a voz forte o alcançou e causou um impacto inesperado. Ao ouvir aquela voz, ele sentiu que tiinha sido achado por Deus; os olhos de Jesus fitavam seus olhos, e lhe mostravam que ainda havia perdão para o pecador arrependido. Sacudido por aquela pregação, aquele homem saiu de onde estava e chorou amargamente. Dali para frente sua vida foi outra. Ele teve outras experiências com Deus, ainda mais maravilhosas. Foi um instrumento poderoso e muitos se converteram graças a seu ministério. A biografia desse homem já foi lida por um grande número de pessoas e este episódio em particular é muito famoso. Talvez você já tenha ouvido falar dele. Seu nome era Pedro e o pregador era um tal de "Galo".1.10.2009

 

Bem-vindo data-show! Aquele aparelhinho que ajuda a gente a associar imagens com as letras das músicas. Nem sempre. Todo recurso é como um tempero. Você não coloca orégano em toda sua comida. Todas as canções precisam ser acompanhadas de imagem? Não somos capazes de imaginar? Não somos hábeis para fechar os olhos e apenas ouvir? É a poluição visual chegando... E quando o culto termina, eu vi tintas imagens que não me lembro de nenhuma em especial.1.10.2009

 

A mensagem é muito mais de auto-ajuda que ajuda do auto.1.10.2009

 

Isso me faz lembrar um artigo que li em que um conto de Soren Kierkgaard é evocado e isso tem muito a ver com o descrédito que temos em nossa sociedade: Ele conta que um circo se instalou próximo de uma cidadezinha dinamarquesa, Este circo pegou fogo, O proprietário do circo vendo o perigo do fogo se alastrar e atingir a cidade, mandou o palhaço, que já estava vestido a caráter, pedir ajuda naquela cidade a fim de apagar o fogo, falando do perigo iminente, inútil foi todo o esforço do palhaço para convencer os seus ouvintes, Os aldeões riam e aplaudiam o palhaço entendendo ser esta uma brilhante estratégia para fazê-Ios participar do espetáculo". Quanto mais o palhaço falava, gritava e chorava, insistindo em seu apelo, mais o povo ria e aplaudia". O fogo se propagou pelo campo seco, atingiu a cidade e esta foi destruída. Tem que estar devidamente vestido para proclamar a mensagem. 5.10.2009

 

Conta-se a história de um pastor que pregava quase dominicalmente para uma determinada pessoa na igreja que era um tremendo "leva-e-traz" O problema é que esse irmão, quando se despedia, dizia: "Pastor, não desista, porque eles estavam precisando ouvir isso mesmo". Mas era ele o "leva-e-traz" da igreja. E, deste modo, acontecia quase cada domingo. Numa quarta-feira, chovia muito, e só compareceram o pastor e aquele irmão. Pensou o pastor: "É hoje! Hoje ele não escapa: vou pegá-Io". E pregou olhando diretamente nos olhos daquele irmão. Quando terminou o culto, disse ele: "Puxa, pastor, que pena que eles não vieram, não é?"6.10.2009

 

A pregação tem sido mais no formato de aula do que de pregação. Uma pena! 28.10.2009 

 

Conta-se que Harriet Beecher Stowe, autora de "A Cabana do Pai Tomás", quando menina, desejava de todo o seu coração ter o perdão de seus pecados, ser uma filha de Deus e fazer a sua vontade. Mas não compreendia como sair do estado de pecadora, sobre o qual repousava a ira de Deus, para tornar-se uma filha sua. Um dia, porém, seu pai, o Pastor Beecher, pregou um sermão sobre Jesus como o amigo que se oferece para salvar todo ser humano. Falou do grande amor em linguagem direta, simples e terna. Harriet, que se achava então com quatorze anos escutou todo o sermão com alegria sempre crescente, e sua alma inteira se encheu de gozo. Decidiu atender à chamada de Jesus tão naturalmente e com tanta alegria como uma ovelha segue seu pastor. Voltou para casa, naquele dia, com um sentimento novo de gozo e paz. 28.10.2009